terça-feira, setembro 29, 2009

Amor em Minúscula




"'Talvez o belo seja triste porque é efêmero como um beijo de
borboleta', pensei."

Samuel em Amor em Minúscula.


Quem nunca teve aquele momento, mesmo que de um só segundo, em que nos damos conta de que o ano seguinte será exatamente como o anterior e, às vezes, isso não é uma coisa boa. Samuel teve esse momento enquanto passava mais uma vez a virada do ano, comendo 12 uvas e bebendo uma taça de champanhe à meia-noite, para depois ir para a cama sozinho, como sempre.
No entanto, o dia seguinte mostra que ele estava completamente enganado. Arranhando sua porta, aparece um jovem gatinho, que o leva até um vizinho com que ele nunca havia conversado, este o conduz ao seu primeiro amor de 30 anos atrás, que o faz encontrar um filósofo amalucado, e tudo isso o transporta a mistérios, indecisões, curiosidades, alegrias, medos e tudo o mais que faz com que tenhamos certeza de estar vivendo e não apenas vegetando.
Samuel tem a sua vida mudada por um acontecimento ínfimo, a visita de um gatinho faminto. Mas teria sua vida mudado por que o gato apareceu e o resto veio em consequência do “efeito borboleta” ou essa pequena novidade fez com que ele esperasse, mesmo que inconscientemente, outras novidades. Assim como não sabemos como os átomos se comportam quando não estamos olhando, e talvez vejamos exatamente o que esperamos quando os estamos observando, será que ele só não começou a esperar por transformações e as recebeu?
Tenho que confessar que me senti muito culta lendo esse livro (:P). Ele fala sobre escritores alemães, obras clássicas, pintura e música erudita, mas tudo de uma forma leve e tranquila. Fiquei empolgadíssima para ler Os sofrimentos do jovem Werther de Goethe, só espero que a empolgação não passe antes que eu consiga colocar as minhas mãos em uma cópia do clássico!
Para finalizar, amei o livro. Se tivesse que descrevê-lo em uma só palavra esta seria “inteligente”. Mas como posso fazê-lo em muitas outras, acrescento também divertido, leve, fluído e enigmático.
Recomendo a leitura e sei que vocês não se arrependerão de passar umas pequenas férias na Espanha, entre cafés e lojas de ferreomodelismo.

4 comentários:

  1. Oi Rê...

    Eu também adorei esse livro, fiquei até com vontade arrumar um gatinho...
    E me senti muito adulta lendo um livro que falava tantas coisas "cultas"...rss
    Ótima dica...

    beijos,
    Dé...

    ResponderExcluir
  2. Oi, Dé!

    Que bom que vc gostou! Já tenho um novo livro de gatinho na lista de espera: Dewey, um gato entre livros. Espero que seja legal :)

    Bjinhos, Rê.

    ResponderExcluir
  3. Oi, Rê!
    Adorei esse livro, exatamente pelos motivos que você falou: o autor usa um monte de informações sobre a cultura alemã (algumas que eu nem fazia idéia, como o quadro do Caminhante (esqueci o nome agora) de uma forma super agradável.
    Eu tbm fiquei com vontade de ler Werther depois disso e LI! Adorei tbm!

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Oi, Monique.

    Você acredita que até consegui esse livro pelo "trocando livros", mas ele nunca chegou? :(
    Acho que vou colocar ele na minha lista do desafio!

    Binhos, Rê.

    ResponderExcluir