segunda-feira, setembro 23, 2013

A Mão Esquerda da Escuridão, Ursula K. Le Guin



Engraçado como são as ficções cientificas, elas nos colocam em outro planeta, em outro universo, com seres que não poderiam ser mais diferentes de nós e, por fim, fazem uma bela crítica desse planeta chamado Terra.
Se bem que, não sei se a tal crítica que percebi no livro foi ou não intencional.
Vamos recapitular, Genly Ai é um terráqueo, que é enviado para o planeta Inverno a fim de informá-los de que existem outros tipos de vida em outros planetas, e também convidá-los a se juntarem a comunidade universal.
Lá, ele tem que se acostumar com seres humanos com uma característica muito singular, eles são seres bissexuados. Passam a maior parte do tempo sem nenhuma característica sexual, e uma vez por mês, entram em kemmering, que é uma espécie de cio. No kemmering, eles adquirem características femininas ou masculinas. Nunca é sempre a mesma, e eles podem ser tanto pais ou mães, e os herdeiros são sempre os que são gerados dentro de seu pai.
Deu pra entender? É confuso mesmo! Genly Ai mal conseguia se acostumar com isso. E é aí que está a parte que me interessou muito no livro. Ele não conseguia lidar com essa bissexualidade, desde o inicio ele decide lidar com todos como se fossem machos e sempre que enxerga características femininas em alguém com quem está tendo que lidar, fala delas como se fossem um defeito ou uma fraqueza. Em vários momentos, ele "perde o respeito" pelo que seu interlocutor está falando, pelo simples fato de que suas feições roliças e sua calma o fazem parecer do sexo feminino.
Fiquei bastante incomodada com isso, porque o livro em si é muito bom. As cenas são muito bem construídas, os cenários maravilhosamente descritos e os diálogos muito profundos e interessantes.
Recomendo muito esse livro, vale a pena aguentar um pouquinho as partes arrastadas. Só gostaria de saber se estou sendo hiper sensível, ou alguém mais sentiu esse sexismo na obra.
Genly é um estranho vivendo em outro mundo. Sua missão é convencer as pessoas desse lugar a se unirem a uma grande comunidade universal, mas há muitas diferenças. São outros costumes, outras lendas e percepções. Genly está numa terra única, na qual homens e mulheres existem juntos, dentro de cada indivíduo. Onde qualquer um pode ter filhos, pode ser pai e pode ser mãe. No gelado mundo chamado Inverno, ele terá de esquecer tudo o que sabia até agora e começar uma jornada de conhecimento, tolerância e descoberta. E desvendar os significados da mão esquerda da escuridão.
Bjinhos,
Rê.

Nenhum comentário:

Postar um comentário